Confira quais devem ser os investimentos mais rentáveis em 2011

clip_image002image

Depois de um ano que deve terminar perto da estabilidade na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) e com o dólar perdendo força ante o real, a expectativa para estes e outros investimentos é de rendimento melhor em 2011.

Além da diferença entre as projeções, o grau de risco e o comprometimento do poupador para cada aplicação é diferente. No Tesouro Direto, por exemplo, o valor aplicado fica "comprometido" e, se resgatar antes do prazo, pode não ter toda a valorização esperada. Por outro lado, a poupança tem retorno menor, mas o resgate pode ser feito sem prejuízo a qualquer momento. Confira a seguir as expectativas de ganho no ano para de diversas aplicações e escolha a mais adequada ao seu perfil.

Bovespa
O principal índice da bolsa paulista (Ibovespa) teve uma forte recuperação em 2009, mas "andou de lado" neste ano - começou em 68.588 pontos e fechou o pregão da última quinta-feira com 68.485 pontos. No entanto, as promessas são de ganhos para o próximo, de acordo com Clodoir Vieira, economista-chefe da corretora Souza Barros. Para ele, o indicador deve atingir valor entre 78 mil e 81 mil pontos no final de 2011 - o que significa um retorno de 14% a 19%, caso o Ibovespa feche este ano na casa dos 68 mil.

Segundo o economista, contudo, esta projeção depende do desempenho da Petrobras. Ele acredita que no final de 2011 os papéis da estatal retomem o patamar do começo deste ano, com as preferenciais a R$ 36,03. Afetadas pelas incertezas com a capitalização para exploração do pré-sal, as ações da petrolífera brasileira fecharam o último pregão a R$ 25,75, com desvalorização de cerca de 30% desde o início do ano.

A carteira recomendada da Souza Barros para o começo de 2011 tem as seguintes empresas: Vale, Petrobras, BRMalls, Bradesco, Duratex, Itaú, Localiza, Pão de Açúcar, Random e Vivo. "Temos empresas de todos os segmentos", afirmou Vieira. Marcelo Coutinho, da YouTrade, também aposta na valorização da Petrobras. Ele prevê que o desempenho da Bovespa no ano será positivo, mas a graduação só poderá ser medida após o primeiro trimestre da bolsa.

Mesmo com oportunidade de bons ganhos, o investimento em ações é recomendado para quem está disposto a correr alto risco. Além disso, o interessado em aplicar na bolsa deve se cadastrar em uma corretora, o que vai lhe trazer gastos com corretagem e custódia das ações, e é necessário recolher Imposto de Renda todos os meses sobre o lucro obtido.

Tesouro Direto
De acordo com o economista-chefe da Souza Barros, para quem se arrisca em ações é aconselhável a reserva de 20% do capital para aplicações no Tesouro Direto. Os papéis garantidos pelo governo devem apresentar a mesma rentabilidade deste ano - cerca de 12,46%, segundo média dos índices de renda fixa calculados com base nas carteiras compostas por títulos públicos.

"Tesouro Direto é estabilidade. É antagônico de bolsa. Com a entrada da Dilma (Roussef, presidente eleita do Brasil), eu não vejo grande mudança em taxa de juros", disse Marcelo Coutinho. A compra de títulos do governo tem retorno garantido, contudo o valor fica comprometido por um período e o investidor pode acabar sendo prejudicado se precisar do valor aplicado mais cedo do que esperava.

Poupança
Investidores mais conservadores que preferirem aplicações junto aos bancos, como a poupança, não devem receber um grande retorno em 2011, já que o cenário deve ficar parecido com o deste ano. "Na poupança, o governo garante 0,5% ao mês e a TR deve ficar zerada", disse Clodoir Vieira. Em novembro passado, o rendimento da caderneta foi de 0,535% - um rendimento real negativo de 0,29% com a inflação no mês batendo 0,83%. Caso seja apenas garantida a remuneração mensal de 0,5%, a poupança deve render 6,17% ao longo do próximo ano.

CDB
Os especialistas recomendam aos interessados no CDB buscar bancos de maior expressão para vincular seu dinheiro, pelas garantias apresentadas. Segundo os analistas consultados, o rendimento do CDB deve acompanhar o aumento da taxa Selic ao longo do ano. A previsão do mercado é de elevação de 1,5 ponto percentual na taxa básica de juro em 2011, de acordo com o último boletim Focus do Banco Central. Menos rentáveis que ações e mais do que a poupança, esses investimentos podem ser resgatados imediatamente ou no curto prazo (alguns CDBs requerem comprometimento de 30, 60 ou 90 dias), e para sua contratação a pessoa física precisa apenas de uma conta corrente no banco.

Dólar
O governo fez ao longo de 2010 uma série de ações para conter o enfraquecimento da divisa americana ante o real e ainda assim apresenta desvalorização de cerca de 2% no acumulado do ano. Em 2011, a expectativa é de uma leve elevação. Os analistas consultados indicam taxa de R$ 1,75 por dólar no final do próximo ano, mesma previsão da Febraban. Se este cenário se concretizar, a moeda americana teria uma alta de cerca de 3%, ante um patamar de R$ 1,70 no encerramento de 2010.

Imóveis
O setor imobiliário também é uma opção de investimento, mas segundo João Crestana, presidente do Sindicato da Habitação (Secovi), não deve ser vantajoso aos especuladores. "Quem quer comprar um imóvel e três meses depois vender por um preço maior, não vai ter espaço", disse. Segundo ele, "o investidor tradicional é aquele que tem um apartamento de um ou dois dormitórios e aluga. Ao longo dos anos ele vai ter uma valorização acima da inflação e todo mês receberá uma renda comparável a uma aplicação financeira", afirmou. O Secovi trabalha com uma valorização mobiliária de 1 ponto percentual acima da inflação para o próximo ano, ou seja 6,2% (segundo a Febraban a inflação em 2011 será de 5,2%).

Crestana lembrou ainda de outros investimentos imobiliários. "Quem gosta de papéis, existem as ações de empresas do setor imobiliário. Existem os papéis específicos, por exemplo os CRI (Certificados de Recebíveis Imobiliários) e as letras imobiliárias. Além dos fundos de investimento imobiliários. Fundos com preços bons e lucratividade de cerca de 1% ao mês", disse. "O melhor investimento é a pessoa que quer comprar um imóvel para ser sua casa, para alojar sua família, pois ele vai fazer um investimento no bem estar e, ao mesmo tempo, vai ver seu imóvel valorizar com o tempo", afirmou Crestana.

 

Ouro


O ouro deve fechar como o investimento mais rentável de 2010. Segundo dados da BM&FBovespa, o metal precioso ficou 41% mais caro até 31 de outubro. Segundo Aquiles Pereira Junior, gerente da OM Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários, a commodity cumpriu as expectativas mais otimistas do começo do ano e dobrou de preço, com a grama encerrando o ano cotada perto de R$ 90. Para 2011, na cotação atual do dólar, o ouro deve, segundo a OM, chegar a R$ 136 (na cotação do dólar estimada pela Feraban, o valor ficaria em R$ 140), o que representa ganho da ordem de 50%.

De acordo com Aquiles Pereira, o mundo está passando por uma fase de melhora econômica e o consumo de ouro deve crescer. Por outro lado, a burocracia para explorar o minério está cada vez maior, fazendo que a relação oferta procura jogue o preço para cima. "O preço do ouro ficou estagnado desde os anos 80. Com essa estagnação, não houve investimento em mineração. As pessoas, não só no Brasil, estão melhorando de vida e começando a consumir", afirmou. Quanto a liquidez, o investidor pode fazer o resgate do valor a qualquer momento com a venda das barras.

Gostou das postagens? Que tal compartilhar? Indique!
Clique acima e compartilhe por e-mail, Twitter, Facebook...