Edifícios mais caros de São Paulo

A escassez de terrenos nos bairros reconhecidamente nobres de São Paulo e a retomada da venda de imóveis para classe média e média baixa fez com que o preço do metro quadrado dos apartamentos de altíssimo padrão em São Paulo alcance até R$ 35 mil, uma alta estimada de 20% só em 2010. Com isso, as transações com os imóveis mais caros destas regiões chegam a bater os R$ 35 milhões. Com uma pesquisa entre imobiliárias especializadas em imóveis de altíssimo padrão e construtoras,  fomos atrás de onde estão os imóveis mais caros da capital paulista - que chegam a custar até R$ 35 milhões - e buscamos explicações do porquê os preços nestes locais baterem nas dezenas de milhões de reais.
Dez anos depois da operação urbana do Itaim Bibi, situações como o fim dos Certificados de Potencial Adicional de Construção (Cepac) e as restrições à verticalização acabam desencadeando a explosão dos preços. Situação semelhante vivem outros bairros nobres da cidade como Vila Nova Conceição, Jardim Paulista, Jardim América, Ibirapuera e alguns pontos de Moema onde a Lei de Zoneamento restringe a verticalização e/ou faltam terrenos grandes para este tipo de empreendimento. Resultado: A cobertura do Chateau Margaux na Vila Nova Conceição foi vendida por R$ 35 milhões por Athina Onassis em fevereiro, quase R$ 35 mil o m².
"Em primeiro lugar, são pouquíssimos os bairros (valorizados). Dentro desses bairros, falta área livre e enfrentamos restrições de construção", explica o diretor de vendas da incorporadora Bolsa de Imóvel, Daniel Dequech. A valorização no caso da ex-cobertura de Onassis é sensível: em 1998, quando foi lançado, o metro quadrado do edifício valia R$ 5 mil.
Segundo Dequech, essa realidade tem dificultado a "reposição de mercadoria" no altíssimo padrão, ao mesmo tempo em que a economia brasileira vai bem e possibilita o surgimento de novos milionários, com possibilidade de crédito para comprá-los. Assim, "pela lei da oferta e da procura, naturalmente os preços estão subindo, cerca de 20% ao ano", diz o consultor.
A falta de lançamentos tem feito os edifícios consagrados terem valorização sem precedentes. Os apartamentos dos edifícios da Praça Pereira Coutinho, próximos ao parque do Ibirapuera (com imóveis valendo até R$ 35 milhões), próximos ao Shopping Iguatemi (até R$ 15 mil o metro quadrado) e Clube Pinheiros (até R$ 20 mil o metro quadrado), entre outros, não ficam vagos, segundo Guilherme Escobar, sócio-diretor da imobiliária VNC. "Um apartamento bem precificado em um dos bairros mais caros de São Paulo não fica mais de quatro meses parado", diz ele, que espera um faturamento 20% maior este ano por conta do mercado aquecido.
Pressão por quantidade
Para complicar ainda mais, a abertura de capital de algumas construtoras tem se tornado mais um fator de pressão nos preços. Diante da necessidade de apresentar um volume alto de lançamentos para atender às expectativas dos acionistas - e enfrentando a dificuldade de lançar imóveis de alto padrão - as empresas partiram para os imóveis do segmento chamado econômico e supereconômico, onde é possível trabalhar com volume.
"O plano de negócio de empresas listadas na Bovespa não permite que se mantenham no alto padrão, que requer um produto mais trabalhado e terrenos mais difíceis de conseguir. Não tem como as empresas se sustentarem nesse segmento", explica o diretor de incorporações da JHSF, Luciano Amaral. A JHSF, no entanto, espera manter o mesmo número de lançamentos em alto padrão em 2011. "Nosso objetivo é manter o número de lançamentos, mas a dificuldade é grande", explica.
O novo alto padrão
Em meio a esse cenário, algumas construtoras estão apostando no alto padrão mas com pequena metragem, especialmente para ricos solteiros e separados, que não estão interessados em mansões, mas em serviços. "Hoje vemos que não é apenas a metragem que define o alto padrão. O metro quadrado de um apartamento pequeno, com um pé direito duplo, bom acabamento e serviços exclusivos também alcança este nível de preço", explica o sócio diretor da Sotheby's Celso Pinto.
Atualmente, a imobiliária de altíssimo padrão negocia com empresas de luxo internacionais a prestação de serviços em edifícios paulistanos. "Não é para arrumar a casa, apenas. É para cuidar da vida do morador, comprar o ingresso em uma peça ou show", afirma Pinto.
Confira a lista dos apartamentos mais caros de São Paulo
Edifício Chateau Margaux - até R$ 35 milhões (pronto) - Vila Nova Conceição
Edifício L'Essence Jardins - até R$ 35 milhões (pronto) - Jardins
Edifício Adolpho Lindenberg - até R$ 25 milhões (pronto) - Morumbi
Condomínio Parque Cidade Jardim - R$ 25 milhões (pronto) - Cidade Jardim
Edifício Alfredo Volpi - R$ 15 milhões (pronto) - Cidade Jardim
Condomínio Praça Vila Nova - R$ 13 milhões (na planta) - Vila Nova Conceição
Edifício Vitra - R$ 8 milhões (na planta) - Itaim Bibi
Edifício Hemisphere Ibirapuera: R$ 3,5 milhões (na planta) - Ibirapuera
Edifício Chateau Latife - R$ 25 mil (metro quadrado) - (pronto) - Vila Nova Conceição
Edifício Clermont Ferrant - R$ 25 mil (metro quadrado) - (pronto) - Vila Nova Conceição
Edifício San Marino - R$ 20 mil (metro quadrado) - (pronto) - Jardim Europa
Edifício Golden Gate - R$ 20 mil (metro quadrado) - (na planta) - Jardim Europa
Edifício George Sand - R$ 15 mil (metro quadrado) - (pronto) - Jardim Europa





clip_image001
Nove torres residenciais têm apartamentos entre R$ 2,5 milhões e R$ 25 milhões no Parque Cidade Jardim, no bairro Cidade Jardim
clip_image002
Os apartamentos do Parque Cidade Jardim variam de 235 m² a 1.885m²
clip_image003
Três fontes clássicas estão dispostas nos percursos até os prédios, que seguem referências da arquitetura clássica de Nova York
clip_image004
O Parque Cidade Jardim tem um dos maiores índices de área verde da cidade, segundo a JHSF
clip_image005
O Parque Cidade Jardim foi construído em um terreno de 72 mil m², que inclui o Shopping Cidade Jardim
clip_image006
Os apartamentos do edifício Parque Alfredo Volpi, na Vila Nova Conceição, custam cerca de R$ 15 milhões
clip_image007
No Parque Alfredo Volpi há apartamentos de 4 ou 5 suites
clip_image008
O edifício fica próximo ao parque que dá nome ao empreendimento, na rua Circular do Bosque
clip_image009
Os apartamentos têm quatro salas: almoço, jantar, estar e lareira
clip_image010
O Hemisphere Ibirapuera, no bairro do Ibirapuera, tem quatro suítes, 335 m² privativos e custa R$ 3,5 milhões na planta
clip_image011
A entrega do Hemisphere está prevista para setembro de 2011
clip_image012
Cada um dos apartamentos do Vitra, no Itaim Bibi, deve custar em torno de R$ 8 milhões na planta
clip_image013
As obras devem ser iniciadas em julho de 2011 e o empreendimento deve ser entregue em 2013
clip_image014
O Vitra é assinado por Daniel Libeskind, responsável pelo plano de revitalização do ground zero, em Manhattan
clip_image015
Os apartamentos do edifício Adolpho Carlos Lindenberg, no Morumbi, têm seis suítes e doze vagas na garagem
clip_image016
O Adolpho Carlos Lindenberg tem apenas 8 apartamentos, com 1.200 m² de área privativa que compreendem biblioteca, sala de home-theater e gran-terraço com piscina
clip_image017
Os apartamentos do Adolpho Carlos Lindenberg ainda contam com copa e cozinha, living, terraços, sala de leitura, sala de inverno com lareira, sala de jantar, sala de estar
clip_image018
Consultores estimam entre R$ 20 milhões e R$ 25 milhões o valor dos apartamentos
clip_image019
A cobertura do L'Essence Jardins, na rua Haddock Lobo nos Jardins, pode chegar a valer R$ 35 milhões
clip_image020
Entre os diferenciais do L'essence Jardins está uma quadra de tênis, de squash e uma piscina aquecida semi-olímpica
clip_image021
Na praça Pereira Coutinho, na Vila Nova Conceição, o Chateau Latife é um dos edifícios cujo m² chega a custar R$ 25 mil
clip_image022
O m² do Chateau Latife e de outros edifícios da Vila Nova Conceição tiveram grande valorização em 2010
clip_image023
O edifício Chateau Margaux, na Vila Nova Conceição, ficou famoso depois que a cobertura foi vendida por R$ 35 milhões
clip_image024
A cobertura da Chateau Margaux tem 990 m² e cada um deles vale mais que R$ 35 mil
clip_image025
O Clermont Ferrant, na Vila Nova Conceição, foi construído em 1995 na praça Pereira Coutinho e valorizou o local. O m² chega a R$ 25 mil
clip_image026
As obras do Benedito Lapin foram iniciadas em dezembro e a construtora espera obter R$ 70 milhões ao fim das vendas
clip_image027
O Benedito Lapin terá 4 duplex de 190m², 248m², 360m² e 373m². Todos terão vista para a região do Parque do Ibirapuera
clip_image028
O Benedito Lapin terá um spa, nos primeiro e segundo andares, coordenado pelo Spa do Shopping Cidade Jardim
clip_image029
Na rua Tucumã, no Jardim Europa, o San Marino fica próximo ao Clube Paulistano. O m² na região custa entre R$ 11 mil e R$ 20 mil
clip_image030
O edifício George Sand está localizado no Jardim Europa onde o m² custa entre R$ 10 mil e R$ 15 mil
clip_image031
A rua Frederic Chopin é valorizada por ser próxima, entre outras coisas, ao Clube Pinheiros
clip_image032
Quase não exitem mais terrenos para construção de novos edifícios na região da rua Frederic Chopin
clip_image033
O Praça Vila Nova terá ainda um apartamento triplex com 1224 m²
clip_image034
O duplex da torre Plátanos terá 1060 m², com piscina e jardim privativos
clip_image035
Os apartamentos no Praça Vila Nova, na Vila Nova Conceição, valem de R$ 4 milhões a R$ 13 milhões na planta
clip_image036
Apesar de ter sido construído na década de 1970, o Golden Gate, no Jardim Europa, continua valorizado e o m² chega a custar R$ 20 mil
Gostou das postagens? Que tal compartilhar? Indique!
Clique acima e compartilhe por e-mail, Twitter, Facebook...