Os buracos mais fascinantes do mundo

Africa
No Grande Buraco de Kimberly, África do Sul, já foram retirados 14,5 milhões de quilates de diamantes

Vladimir/Wikimedia
A mina Mirny Diamont é tão grande, que o espaço aéreo sobre ela foi isolado para helicópteros, já que alguns foram sugados pelo fluxo de ar do buraco
Shannon Lucas/Flickr
Bingham Canyon,nos EUA, é considerada a maior mina a céu aberto do mundo
The Diavik Diamond Mine
A mina Diavik Diamont fica no Canadá e produz oito milhões de quilates de diamantes por ano

Buraco de Belize: o maior buraco existente no mar tem 125 metros de profundidade e 300 metros de largura

A represa de Monticello fica na Califórnia, EUA
Paddy Mulvenna/Flickr
Após uma série de deslizamentos de terra, a cratera da Guatemala assustou o mundo em 2010
Crateras semelhantes também são encontradas no Brasil. Especialistas ouvidos pelo G1 afirmam que fenômenos similares já ocorreram no Paraná, em São Paulo, em Mato Grosso e em Mato Grosso do Sul.
O professor de geologia e diretor do Centro de Apoio Científico em Desastres da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Renato Lima, explicou que esse tipo de depressão recebe o nome técnico de dolina e ocorre em solos onde há rochas calcárias. “Essas rochas são dissolvidas pela passagem da água ao longo de milhares de anos. Às vezes, uma grande caverna desaba na profundidade e, na superfície, surge uma cratera. Geralmente, são bastante circulares”, disse.
Segundo o professor, o surgimento desse tipo de cratera é lento. “É mais comum que aconteça devagar, mas o solo pode entrar em colapso e desabar de repente”.
Professor do curso de geologia da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Carlos Humberto afirma que a intervenção do homem acelera o desabamento. “Em todo lugar onde há rochas calcárias é possível acontecer esse tipo de cratera, mas é um processo lento e natural. No entanto, o homem pode acelerar o processo com intervenções no solo e antecipar o desabamento.”
Casos no Brasil
Lima ressalta que buracos desse tipo são comuns ao Norte da Região Metropolitana de Curitiba, em municípios como Almirante Tamandaré, Cerro Azul, Rio Branco do Sul e Adrianópolis. “Um buraco com cerca de cem metros de largura e 35 de profundidade surgiu em Almirante Tamandaré (PR), há cerca de dois anos”, afirmou Lima.
O professor Carlos Humberto lembra de crateras semelhantes nos municípios de Nobres, em Mato Grosso; de Bonito, em Mato Grosso do Sul; e de Cajamar, no interior de São Paulo. “Em Cajamar, por exemplo, foi retirada a água de uma caverna subterrânea. O solo ficou instável e o teto dessa caverna desabou em 1986, o que abriu um buraco enorme. É um caso em que o homem acelerou o processo.”
Segundo os especialistas, é possível prever o surgimento de fenômenos desse tipo. “É necessário fazer um estudo específico de risco geológico nas áreas onde há rochas que podem sofrer esse processo”, afirmou Lima.
Segundo Humberto, nem sempre é possível evitar, já que é algo natural. “Quando se conhece o solo, dá para minimizar os danos e evitar que esse desabamento seja acelerado”, diz.
Gostou das postagens? Que tal compartilhar? Indique!
Clique acima e compartilhe por e-mail, Twitter, Facebook...