Doenças mais corriqueiras do verão

Cuidados com os pés minimizam o risco de contrair frieiras

Como se proteger de problemas como conjuntivite e micose

A temporada de verão traz uma preocupação adicional em relação a doenças consideradas típicas desta época do ano, principalmente por conta da maior exposição das pessoas ao sol e às águas do mar e da piscina. Entre os vilões da estação, os médicos destacam a conjuntivite infecciosa, as micoses, as frieiras e as reações alérgicas. Para que você possa se proteger melhor contra esses problemas, o especial de Verão do Terra colheu algumas dicas importantes de especialistas. Confira.

Conjuntivite infecciosa


Causada por um vírus ou uma bactéria, a conjuntivite é caracterizada por uma infecção na pele transparente que recobre os olhos, deixando-os vermelhos e lacrimejantes. O contágio pode ocorrer, por exemplo, por meio de um contato direto com uma pessoa infectada, do compartilhamento de toalhas, do banho em praias poluídas ou piscinas sem o tratamento adequado. Como forma de precaução, os especialistas recomendam que as pessoas evitem essas situações. Ainda no caso da higiene, a orientação é para que se lave as mãos mais frequentemente e não compartilhar objetos que possam ter contato com os olhos. Caso você sinta sinais de que possa estar com a infecção, como irritação, sensação de areia no olho, e vermelhidão, procure um oftalmologista imediatamente.

Micose e Frieira


Provocadas por fungos que habitam ambientes de calor e umidade, essas infecções são muito comuns no verão. A micose de pele é aquela mancha com bolinhas d’água ou com descamações na borda. Já a frieira se apresenta como uma descamação da pele e irritação. Segundo os especialistas, a melhor forma de prevenção é não ficar com roupas molhadas, meias e calçados úmidos no corpo. Além disso, é recomendado usar roupas de algodão e sapatos abertos nos dias mais quentes. Outra dica importante é não circular descalço em vestiários de clubes, em nenhuma hipótese, inclusive no banho.

Reações alérgicas


Durante as férias de verão, as praias se tornam o principal destino de milhares de brasileiros. E é no ambiente praiano que muitas pessoas costumam fazer as famosas tatuagens de henna, aquelas feitas sem perfuração da pele e que permanecem no corpo por alguns dias. Entretanto, os especialistas alertam sobre o risco de reações alérgicas, tanto na região onde foi feita a tatuagem quanto em outras partes do corpo, que podem aparecer dias ou até mesmo semanas após o desenho ter sido feito. Portanto, é melhor pensar duas vezes antes de optar por esse tipo de tatuagem. Caso faça e tenha algum sinal de reação alérgica, procure um dermatologista o quanto antes.

Gostou das postagens? Que tal compartilhar? Indique!
Clique acima e compartilhe por e-mail, Twitter, Facebook...