Parceiros com filhos

 

Parceiros com filhos

Venho observando dúvidas referentes a relacionamentos com pessoas divorciadas e com filhos. Muitos não sabem como agir, o que esperar, como lidar com as dificuldades inerentes.
Quando um relacionamento se inicia, existe uma enorme expectativa em torno das fantasias criadas por cada um, homens ou mulheres, todos esperam algo. Sonham ou desejam encontrar alguém dentro dos moldes que consideram ideais. São moldes subjetivos e bastante pessoais e poucos estão dispostos a abrir mão quando se deparam com algo bem diferente do planejado.
Acontece que na seara dos relacionamentos, por mais que racionalmente a maioria tente acreditar que tem algum controle, a realidade é que as escolhas são mais dirigidas do que imaginamos e por aspectos bastante inconscientes sob os quais temos pouco controle.
Tanto homens quanto mulheres têm levantado dúvidas e o que muitos perguntam é o quanto vale a pena investir em um namoro com divorciados com filhos do ex casamento. Podemos dizer que são experiências muito relativas ao momento que vivemos, se considerarmos algumas gerações passadas o número de divórcios era bem menor e muitos dos separados não buscavam novos casamentos, em especial as mulheres. A situação mudou e bastante, aqueles que se separam em nenhum momento desconsideram a chance de recomeçar, ao contrário, apesar da perda desejam voltar a investir em uma relação. Mas daí surgem alguns problemas, solteiros que nunca casaram estão tendo medo desses possíveis futuros companheiros que chegam acompanhados de uma enorme bagagem e em meio a ela, filhos. Os divorciados esbarram então com adultos assustados, imaturos e com medo da história de vida do futuro companheiro.
Dois pontos quero levantar. Primeiro a necessidade de se repensar esses "modelos' de relacionamento, ou seja, pessoas que por exemplo dizem "só quero um companheiro bonito, bem sucedido e sem filhos." Também aqueles que dizem "quero mulheres sem filhos e descomplicadas." Uma coisa é o que se quer a outra é com quem efetivamente nos envolvemos ainda que muitas vezes não se pareça muito com o que imaginávamos. Isso acontece, novamente, porque as regras são inconscientes e bem pouco racionais. Aconteceu de gostar de alguém separado e com filhos, e agora? porque tanta dúvida? O outro ponto seria a necessidade de amadurecer, quase ninguém hoje em dia quer flexibilizar, abrir mão de algumas coisas, a grande maioria deseja tudo tão exato e perfeito como uma criança que qualquer ponto fora da curva leva ao desânimo. Qualquer situação que exija um pouco mais gera desinteresse.
Não vou dizer que namoros com pessoas que já tenham filhos não tenha suas especificidades, claro que tem! Mas, qual namoro não tem? Alguns possuem diferenças de origem, outros de crença, outros de alguns valores, de idade, e em qualquer relacionamento sempre existe uma necessidade de adaptação da dupla à essas questões. Namoros com filhos se encaixa no mesmo jogo, é preciso adaptar, flexibilizar. Talvez eles exijam um pouco a mais já que entram em cena novos personagens, os filhos e em muitos casos a ex mulher.
É preciso sim uma dose maior de maturidade, saber lidar com situações inesperadas e inusitadas, ter jogo de cintura e uma certa diplomacia, é preciso ser adulto. Claro que para aceitar conviver com alguém que tem um ex núcleo familiar há que se sentir um grande amor, um grande desejo em estar junto porque em muitos momentos a situação pode ser delicada. Exemplo, ciúmes do ex companheiro, inseguranças dos filhos e assim por diante.
Por outro lado, sabendo lidar com esses "personagens" que fazem parte da vida de seu companheiro e que não deixarão de fazer, você pode vir a descobrir que tudo pode ser mais animado e interessante do que se imaginava. Você pode vir a construir um lindo laço de afeto com os filhos, receber amor e carinho dessas crianças ou jovens, aprender a compartilhar, a flexibilizar, a ver que uma relação é, pode e deve ser muito mais do que uma dupla fechada.
Antes de duvidar se vale à pena ou não investir em uma relação apenas porque já existem filhos de uma outra relação, reflita um pouco sobre essas questões, não feche portas, não duvide que cenários variados podem ser sim muito ricos apesar de diferentes do que se planejou inicialmente, não duvide da capacidade da relação em sobreviver às situações que venham a acontecer e perceba que fortes laços e novos amores podem estar ali, onde menos se imaginava!

Gostou das postagens? Que tal compartilhar? Indique!
Clique acima e compartilhe por e-mail, Twitter, Facebook...