Preços de alimentos no RJ registram aumento de até 500% devido às chuvas

 
clip_image002 clip_image004
Os preços dos legumes e hortaliças no Rio de Janeiro já registram aumento devido às fortes chuvas que caem sobre a cidade. A Ceasa (Central de Abastecimento do Estado do Rio de Janeiro) já verificou que alface, chicória e tomate estão mais caros.
Somente o preço da salsa subiu cerca de 500% e o do pimentão, 80%. O coentro e o agrião estão 60% e 50% mais caros, respectivamente, de acordo com a Agência Brasil.
Os aumentos foram verificados porque as chuvas atingiram os principais municípios produtores desses itens – Nova Friburgo, Petrópolis e Teresópolis – gerando uma escassez momentânea, segundo o diretor de Relacionamento com a Produção da Ceasa, João Maurício Tomasi. Segundo ele, as frutas que são menos perecíveis não terão reajustes tão altos, porque vêm de outras regiões.
Preço nos supermercados
Os problemas de escassez de hortaliças e legumes já devem ter reflexo nos supermercados. A Asserj (Associação de Supermercados do Rio de Janeiro) calcula que a partir do final de semana alguns itens serão reajustados entre 20% e 60%.
“A escassez aumenta o preço”, afirmou, segundo a agência, o presidente da associação, Aylton Fornari. “Teremos que buscar esses produtos em regiões mais distantes e, sem dúvida, a primeira consequência é a elevação dos preços”, disse.
Problemas de transporte, ocasionados pelos deslizamentos de terra, transbordamento de rios e bloqueios nas estradas também devem fazer o preço dos produtos chegarem mais altos para os consumidores finais.
Em São Paulo
As fortes chuvas também elevam os preços dos alimentos em São Paulo. De acordo com cálculos realizados pelo analista da Tendências Consultoria, Thiago Curado, na cidade, as verduras em geral já registram aumentos de 30% nos preços – a elevação já deve ser contabilizada no próximo IPC (Índice de Preços ao Consumidor), da Fipe, e refere-se ao período de 15 de dezembro a 15 de janeiro, frente ao período anterior. Já o grupo dos produtos in natura, que são as folhagens e os legumes, deve registrar aumento de 7% no período.
Considerando a inflação do País, medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), os grupos hortaliças e verduras e tubérculos, raízes e legumes devem ser os destaques do primeiro mês do ano. Segundo cálculos feitos pelo analista, para a prévia do índice, o primeiro grupo deve registrar aumento de 7% e o segundo, de 11%.
Para o índice cheio de janeiro, os impactos vão se amenizar, mas ainda serão fortes. O grupo hortaliças e verduras deve registrar aumento de 4% nos preços e o dos tubérculos, raízes e legumes deve ficar 6,5% mais caro.
Gostou das postagens? Que tal compartilhar? Indique!
Clique acima e compartilhe por e-mail, Twitter, Facebook...