Inquilino: o que fazer na hora de reformar um imóvel alugado?

Disposição e dinheiro suficientes para a reforma da casa. O único imprevisto, porém, é que o imóvel em questão não é seu, mas alugado. O que fazer nessas situações?

Neste caso, antes de tomar qualquer atitude, é indicado conversar com o proprietário do imóvel, principalmente com relação aos custos que essa reforma irá apresentar.

“O inquilino deve ter em mente que, ao entregar o imóvel diferente do jeito que ele o alugou, pode lhe causar problemas financeiros”, afirma o coordenador do curso de finanças da Veris Faculdade, Ednei Augusto Januário.

Como forma de preservar o orçamento, a dica, em casos como este, é partir para uma conversa franca, para aparar as arestas do contrato e da situação com o dono do imóvel.

Segure os gastos

A prática de boa conduta no mercado imobiliário prevê que o proprietário tome para si a responsabilidade de arcar com gastos por eventuais reformas de ordem de manutenção, como encanamentos, luz, entre outros.

Contudo, quando o assunto é mudança estrutural, pode haver discussão entre ambas as partes. Para evitar que o dinheiro caia pelo ralo, o inquilino deve negociar condições com o locador.

“Se o inquilino quer aumentar um cômodo da casa, por exemplo, ele deve argumentar com o proprietário que deixará o imóvel, que nem pertence a ele, mais valorizado”, diz Januário.

Como não há um regra específica, o consumidor pode procurar uma imobiliária e mensurar, em termos de valores no mercado, quanto ficaria uma casa nesses padrões que ele pretende construir.

"Esse é o melhor argumento que ele terá para o dono entrar com uma parte no custeio ou abater algum percentual do aluguel", explica o coordenador.

Relacionamento

Verbos como pintar, reformar, ajustar não são inerentes na convivência entre consumidor e proprietário. "Se você está há muitos anos na casa, e nunca deu problema, esse é o seu mote. Quando se é novo, tudo deve ser acertado previamente", observa o coordenador do curso de finanças.

Dando desconto no aluguel ou entrando com alguma parte do custo. Esses são os temas dos principais embates envolvendo inquilino e proprietário. Portanto, desenvolver uma relação amistosa com o dono pode tornar tudo negociável.

Orçamento

Colocar a mão no bolso para melhorar algo que não é seu requer muita atenção. No caso de o inquilino ter a pretensão de ficar por mais alguns anos no imóvel, explica Januário, deve-se abrir mão das economias e gastar com produtos de primeira linha.

Essa também é um forma de poupar no futuro com novas manutenções. Em oposição a esse cenário, levando em conta que o inquilino irá deixar logo o imóvel, é valido segurar o orçamento e gastar, se necessário, com produtos alternativos.

Não é válido, porém, despender com produtos de segunda linha que poderão trazer algum tipo de prejuízo para o proprietário. Quem sofrerá com impacto nessa ocasião será o próprio consumidor.

Gostou das postagens? Que tal compartilhar? Indique!
Clique acima e compartilhe por e-mail, Twitter, Facebook...