Na terra do vinho, um brinde ao suco

Em Bento Gonçalves, a produção do suco integral de uva, sem conservantes, não para de crescer

Suco integral: nada além da fruta

A época da colheita é a mais esperada em Bento Gonçalves, no Rio Grande do Sul. Durante cerca de dois meses, exércitos de funcionários passam horas entre os parreirais, enquanto caminhões descarregam milhares de cachos de uva nas vinícolas. Quem atravessar a sinuosa estradinha asfaltada que corta o bucólico Vale dos Vinhedos nessa época irá, com certeza, notar a movimentação. É exatamente neste período batizado de vindima - entre janeiro e fevereiro - em que são produzidos a maioria dos sucos de uva que serão consumidos por todo o país durante o ano.
Em um vale cercado por montanhas verdinhas, forradas de parreiras, talvez a vinicultura domine seus pensamentos. Entre barricas de carvalho, desgustações e passeios entre cachos e mais cachos de uvas de qualidades viníferas (utilizadas para a produção de vinho), talvez você nem lembre de um líquido não alcoólico, de tonalidade muito parecida e que não precisa ser servido em taças. Mas a terra de alguns dos melhores vinhos do país também produz ótimos sucos de uva.

Bastante concentrado e, na maioria das vezes, feito sem nenhum tipo de adoçante, conservante ou açúcar (exceto, obviamente o açúcar natural da fruta), o suco de uva integral da Serra Gaúcha tem um sabor marcante. No resto do país é comum misturarmos um pouco de água na hora de beber, mas os gaúchos gostam de degustá-lo puro, só com algumas pedrinhas de gelo. Diluído ou não, a ingestão regular de suco de uva faz bem para a saúde, assim como o vinho.

Segundo Daniel Magnoni, cardiologista e coordenador do selo de alimentos da Sociedade Brasileira de Cardiologia, o consumo regular e moderado traz benefícios porque, da mesma forma que ocorre com outras frutas vermelhas, as uvas são ricas em flavonóides - poderosos antioxidantes. No longo prazo, o suco de uva pode ajudar a baixar a glicemia e evitar a oxidação do colesterol ruim (LDL).  "Está comprovado que o resultado é o mesmo no consumo de vinho e de suco, mas este último não é alcoólico", diz  médico.

Nem pense em sair tomando dois litros de suco por dia só porque faz bem. "É importante ressaltar que o suco é extremamente calórico, o ideal é beber um copo no almoço e outro no jantar." E, segundo o médico, também é recomendável dar preferência aos produtos que não têm açúcar.

Os grandes produtores

Em Bento Gonçalves, uma das maiores fabricantes de suco de uva integral e sem conservantes é a Casa de Madeira, que pertence ao Grupo Valduga. Neste ano, a previsão é que 2 500 toneladas de frutas virem suco. O processo de fabricação é completamente automatizado. Hoje o ciclo completo - entre descarregar as frutas na fábrica e engarrafar a bebida - leva de 20 a 25 minutos. “Nossa receita combina 40% de uva bordô, que é a mais tinta, e o restante de concord ou isabel, que são bem doces”, explica Mauro Mishaeotoski, gerente de produção da Casa de Madeira. As uvas citadas por ele são de variedades americanas. Na Valduga elas não dão origem a vinhos, mas em outras vinícolas ainda são utilizadas como matéria-prima dos adocicados tintos de mesa.

Linha de produção da Casa de Madeira

Assim que chegam ao local, os frutos passam por uma máquina para retirar os engaços (raminhos do cacho) e são bombeados por uma tubulação metálica onde a temperatura chega a 92 graus. Em seguida, um decanter e uma centrifuga cuidam de retirar os resíduos sólidos e a bebida é engarrafada ainda quente. “Assim que chega à garrafa e esfria, o suco já pode ser consumido, mas algum tempo de maturação o deixa menos ácido”, diz Mauro. Assim, com extrema rapidez e sem nenhum tipo de corante, adoçante ou conservante, os sucos de uva do Grupo Valduga estão prontos para ir para as prateleiras de supermercados de todo o Brasil.

Até mesmo vinícolas gigantescas como a Aurora (a maior do país, com produção de 42 milhões de litros de vinho por ano) estão investindo no suco integral sem conservantes. A cooperativa que já produzia a bebida não alcoólica sem açúcar, mas com aditivos, lançou uma nova linha. Batizada de Casa de Bento, a marca oferece sucos feitos com uvas isabel e concord e também é produzida em grandes quantidades (1,1 milhão de litros por ano). Nesse caso, o suco tem apenas um ingrediente: a uva. O preço, em tese, varia pouco: enquanto o valor sugerido de venda do suco tradicional gira em torno de 7,50 reais por litro, a mesma quantidade do suco sem conservantes custa 9 reais - veja bem, esse é o preço indicado pelo produtor, mas nas gôndolas a situação pode ser bem diferente.

Independentemente da marca, nada de açúcar ou conservantes no suco integral de uva da Serra Gaúcha

Os pequenos produtores
Nem tão longe das linhas de montagem e produções em escala industrial, pequenas vinícolas, com mão de obra familiar, também produzem sucos de uva.

Há 14 anos, a família Tasca enfrentava dificuldades financeiras. “As grandes indústrias não estavam dando conta da produção", explica Décio Tasca. "Decidimos, então, beneficiar a uva com o objetivo de ganhar algum dinheiro para manter a propriedade.” Até hoje a produção é completamente artesanal: as uvas são retiradas dos cachos e selecionadas manualmente, cozinham no vapor e são engarrafadas ali mesmo, na casa que pertence à família de imigrantes italianos desde 1929. “Aprendemos a fazer suco com nossos avós, a técnica de aquecer para pasteurizar e engarrafar veio da Itália”, conta. Por ano, são produzidos 50 mil litros de suco entre o tinto (produzido com uvas isabel, bordô e concord) e o suco rosé - um queridinho da família de produtores e pouco comum na região. E feito com uvas goethe, tem sabor adocicado e cor que varia entre o rosa e o laranja-claro.

Uva para suco: vinhedos da variedade isabel

Na pequena vinícola Terragnolo, o suco é feito com uvas concord. Aqui todo o plantio de frutas é próprio e a produção é familiar e artesanal: ainda embaixo das parreiras, os frutos verdes e podres são retirados dos cachos manualmente. Em seguida, as uvas são separadas do engaço com a ajuda de uma máquina e cozidas a vapor, resultando em um suco sem adição de nenhum conservante, sem água e sem de açúcar. A novidade em 2010 foi uma safra com cultivo orgânico, que também virou suco. No ano passado, foram produzidas 100 mil garrafas da bebida, número que deve ser superado em 2011. Os sucos são distribuídos para outros estados, como Bahia e São Paulo. É possível ainda fazer encomendas diretamente para os produtores ou comprar em sites especializados em venda de vinhos.

Também bastante familiar, a Menoncin fica no distrito de Tuiuty - é vizinha da gigante Salton - e tem duas linhas de produção. Em uma propriedade de 1903, toda a família ajuda na colheita e na seleção manual das frutas. O suco pode ser feito por meio de cozimento a vapor ou por aquecimento contínuo (o mesmo sistema da Casa de Madeira). A maioria das uvas são de cultivo próprio, sempre das variedades isabel e bordô. O resultado é um suco concentrado e saboroso, produzido sem nenhum conservante e nem açúcar – no ano passado foram fabricadas 400 mil garrafas da bebida. É possível encontrar o produto em lojas de todo o Brasil, em sites especializados em venda de vinhos ou encomendar diretamente com o produtor.

Serviço

Casa de Madeira
RS-470, Vale dos Vinhedos, Bento Gonçalves (RS), tel. 3453-5678

Vinícola Aurora
Rua Olavo Bilac, 500, Cidade Alta, Bento Gonçalves (RS), tel. (54) 3455-2000

Famiglia Tasca
RS-444, Vale dos Vinhedos, Bento Gonçalves (RS), tel. (54) 3453-2210

Terragnolo
RS-470, Vale dos Vinhedos, Bento Gonçalves (RS), tel. (54) 3453-1103

Menoncin
Linha Tomasi, Distrito de Tuiuty, Bento Gonçalves (RS), tel. (54) 3458-1099

Gostou das postagens? Que tal compartilhar? Indique!
Clique acima e compartilhe por e-mail, Twitter, Facebook...