O que pesar quando o emprego exige que você tenha carro

Profissionais devem prestar atenção no custo-benefício

Algumas profissões exigem que o funcionário tenha carro, como profissionais de vendas e representação comercial. Nessa situação, o candidato deve pesar questões importantes para que não tenha problemas no futuro.

Empresas que exigem carro devem reembolsar funcionários

Segundo Lílian Delamico, coordenadora de Treinamento e Desenvolvimento do Grupo Nova Visão Humana, deve existir um acordo contratual para que o funcionário sinta-se protegido contra possíveis riscos, como acidentes ou assaltos. “A pessoa tem que ter esse cuidado e questionar a empresa.”

Na opinião de Diego Domingues Moreno, gerente do Departamento de Marketing da consultoria FTI Brasil, as empresas que buscam profissionais que tenham veículo próprio acabam registrando-os como se fossem autônomos. “Eles fazem um acordo e a empresa disponibiliza uma quantia para o combustível e manutenção. Mas se isenta de qualquer responsabilidade com o funcionário.”

Reembolso

O pagamento do combustível é uma das formas mais utilizadas pelas empresas que fazem esse tipo de exigência. “Não existe uma cláusula obrigando a empresa que exige carro a pagar benefícios. Mas é aconselhável que ela faça isso para não sofrer nenhuma ação judicial”, ressalta Lílian. Algumas companhias também costumam pagar o combustível, manutenção do carro, pedágio e estacionamento.

Um erro cometido por alguns profissionais que trabalham na rua é considerar os reembolsos como parte do salário. Segundo Lílian, esse valor cobre apenas as despesas com o veículo. 

Segundo Lílian Delamico, o funcionário contratado para ser externo tem os mesmos direitos que os outros

Apesar de trabalhar fora da empresa, o funcionário que é contratado nessas condições, segundo Lílian, tem direito aos mesmos benefícios que os outros, como seguro de vida e assistência médica. “Tudo isso tem que ser acordado antes, na hora da contratação.”

Quando o profissional é contratado para trabalhar com seu carro, ele tem que avaliar o custo-benefício, pesando tudo no curto e longo prazo.

Lílian aconselha que o funcionário preste atenção se a empresa está oferecendo os benefícios e reembolsos que façam valer a pena. “É importante pesar se o valor que a empresa paga de quilometragem compensa o quanto ele gasta com o carro.”

Gostou das postagens? Que tal compartilhar? Indique!
Clique acima e compartilhe por e-mail, Twitter, Facebook...