Terremoto atinge Nova Zelândia

ScreenHunter_05 Feb. 22 15.16

Equipes de resgate sobem ao topo do prédio Pyne Gould Buildin, no centro de Christchurch, Nova Zelândia
ScreenHunter_04 Feb. 22 15.14
Mapa interativo que mostra a intensidade do terremoto que atingiu a cidade de Christchurch 
ScreenHunter_03 Feb. 22 15.13
Tremor provoca desprendimento de milhões de toneladas de gelo na Nova Zelândia
 
'Parecia que o chão estava solto', conta brasileira que sobreviveu com bebê a tremor
Brasileira viveu momentos de pânico junto com o filho
Uma brasileira residente em Christchurch, na Nova Zelândia, contou o drama que viveu quando a cidade foi atingida pelo terremoto que matou 65 pessoas nesta terça-feira.
A carioca Carla Landa Miller, que mora há 8 anos em Christchurch com o marido Michael, estava colocando o filho Raphael, de 3 meses, para dormir quando ouviu um estrondo. Em seguida, tudo começou a tremer e a cair das prateleiras e dos armários.
Em entrevista à BBC Brasil, ela contou que agarrou o filho e se dirigiu para baixo do batente de uma porta - ação que especialistas aconselham a ser tomada durante um terremoto. Ainda assim, ela conta ter ficado apavorada.
'O chão saía debaixo dos meus pés, parecia que ele estava solto, é horrível! Eu só queira sair de casa, mas estava de pijama.'
A cidade foi sacudida nesta terça-feira a partir das 12h51 locais (20h51 de segunda-feira em Brasília) por três tremores fortes: o maior de 6,3 graus de magnitude e que deve ter durado um minuto, e outros dois de menor intensidade, um de 5,5 e outro de 4,2 graus.
Tremores
'Depois disso, vieram os tremores secundários que também deixam a gente apavorada.' Carla disse ainda que só conseguiu sair de casa quando os tremores passaram.
'Saí de pijama mesmo e vi os meus vizinhos apavorados pela rua. Eles ajudaram a tirar o meu carro da garagem. Me sentei no banco da frente e liguei para a minha família no Brasil. Eu nem sei como o meu celular estava funcionando, mas só queria tranquilizar a todos.'
Só depois de alguns minutos, Carla consegui entrar em casa de novo. Em seguida, o marido Michael ligou avisando que estava bem e que estava retornando para casa, mas disse que o centro da cidade estava bastante destruído e que tinha visto muita gente ferida.
Carla aproveitou para ligar para as amigas brasileiras que vivem em Christchurch. 'Graças a Deus consegui falar com a maioria e soube que todos estão bem.
Danos
Algumas casas estão danificadas, mas aqui o governo ajuda a reparar os estragos. Ele dá até 115 mil dólares neozelandeses (cerca de R$ 146 mil) e o seguro cobre o resto.'
'A minha primeira experiência com terremoto foi em setembro do ano passado. Eu fiquei em pânico. Depois, não queria mais entrar em casa. Tive que fazer terapia para poder superar o trauma. Agora, outro terremoto, mas pelo menos desta vez consegui entrar em casa.'
Carla Miller disse que assim que puder vai mandar fazer o passaporte de Raphael e voar para o Brasil.
'Assim que der, vou tirar o passaporte do Raphael e voar para o Brasil. Eu quero relaxar um pouco. Ficar longe por um tempo, esquecer tudo isso um pouco. Não vou de vez, mas vou passar um tempo no Brasil até as coisas acalmarem por aqui.'

Abraçados, Murray e Kelly James observam a casa onde moravam destruída pelo terremoto, em Christchurch
Carro fica destruído depois que a fachada de um prédio caiu sobre ele durante o terremoto de 6,3 graus
Construção desabou sobre um ônibus em uma rua de Christchurch, durante o tremor de terra que atingiu a região
A rocha, que se desprendeu e passou rolando, deixou um buraco na casa



Gostou das postagens? Que tal compartilhar? Indique!
Clique acima e compartilhe por e-mail, Twitter, Facebook...