Veja dicas para concursos da Secretaria da Fazenda


No RJ, há 100 vagas abertas para auditor fiscal, com salário de R$ 9,8 mil.
Seleção para contador também está em andamento e pode ser opção.


Para quem pretende entrar para a área fiscal, estão abertas as inscrições do concurso para auditor da Secretaria de Fazenda do Estado do Rio de Janeiro. São 100 vagas, com salário de R$ 9,8 mil. Além disso, os novos fiscais poderão receber participação pecuniária eventual, conforme a LC134/90, o que pode representar significativo acréscimo na remuneração. Do total, 5% das vagas serão reservadas a candidatos portadores de deficiência.
O concurso terá duas provas objetivas, ambas de caráter eliminatório e classificatório, com previsão de serem realizadas nos próximos dias 17 e 21 de abril. Em razão do item 3.1, “g” do edital, não deverão ser aceitos cursos de tecnólogo, nem de formação sequencial –é exigido curso de ensino superior com duração de quatro anos ou tempo útil obrigatório de 2.100 horas-aula, em qualquer área de formação.
O edital não apresenta grandes novidades em relação ao anterior, de janeiro de 2010, o que representa uma grande vantagem para quem estava se preparando antecipadamente. O número de questões da primeira prova sofreu alterações por grupo de disciplina, que passa a ser de 20 questões para cada grupo.
Matérias envolvidas
No geral, pode-se concluir que a importância de economia e finanças públicas aumenta (de 16 para 20 questões), o que pode ser problema, já que economia foi responsável por muitas reprovações em editais anteriores. Por outro lado, administração -que também foi “bicho-papão” para alguns candidatos- tem, no bloco com AFO (administração financeira e orçamentária) e informática, o número de questões reduzido de 26 para 20, o que pode ser um alívio.
A vantagem é que aconteceram nos últimos anos –desde setembro de 2007- cinco concursos para o mesmo cargo, todos de responsabilidade da FGV"
Os direitos constitucional e administrativo passam a compor um grupo isolado e o direito civil vai para a prova 2 e fica agrupado com o direito empresarial, dividindo agora as 20 questões do grupo. Isso aumenta a relevância dos direitos constitucional, administrativo e civil, reduzindo parcialmente a do direito empresarial, do qual eram cobradas 20 questões no edital anterior.
O maior peso continua sendo na legislação específica, com 40 questões sobre o assunto. Vale lembrar que as questões não serão necessariamente distribuídas em igual número pelas disciplinas que estão agrupadas.
Em relação ao conteúdo programático, atenção para a inclusão de combinação, arranjo e permutação nos itens de estatística.
Nessa prova, o candidato deve estar atendo para fazer os mínimos exigidos para cada disciplina/grupo de disciplina e prova ou grupo de provas. Nos concursos anteriores, quem conseguiu isso ficou dentro das vagas oferecidas. E todos foram nomeados. É preciso acertar ao menos 50% de cada disciplina ou grupo da prova 1 e 2; e no mínimo 60% em cada prova (critério novo em relação ao edital anterior) e no somatório das duas.
Provas anteriores ajudam A orientação de resolver provas anteriores da mesma banca, nesse caso, é essencial. A Fundação Getúlio Vargas tem características próprias, elaborando provas que diferem bastante na abordagem e formulação de questões em relação a outras da área fiscal. É comum a cobrança de jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF), doutrinas e pontos que sofreram alterações recentes, como os de contabilidade (CPC -Comitê de Pronunciamentos Contábeis) e de auditoria. Assim, torna-se de fundamental importância estudar profundamente as provas anteriores a fim de conhecer bem o estilo e os assuntos mais cobrados pela banca.
A vantagem é que aconteceram nos últimos anos –desde setembro de 2007- cinco concursos para o mesmo cargo, todos de responsabilidade da FGV. Este é um material riquíssimo para quem deseja estar mesmo bem preparado.
Vagas para contadores
Para quem tem formação de nível superior em Ciências Contábeis, com registro atualizado no Conselho Regional de Contabilidade, a Sefaz-RJ está oferecendo outras 100 vagas para o cargo de analista de controle interno (95 para concorrência ampla e 5 para portadores de deficiências), cuja remuneração inicial será de R$ 3,8 mil.
Considerando que as provas para o cargo de analista acontecerão em datas posteriores às do concurso para auditor e que os conteúdos –exceto alguma coisa na parte referente à formação específica- estão contidos no conteúdo programático para auditor, o concurso para analista de controle interno pode ser uma alternativa para quem está focando a carreira fiscal e tem formação em contabilidade.
Esse concurso será composto de duas provas objetivas, previstas, respectivamente, para os dias 1º e 15 de maio, ambas eliminatórias e classificatórias. Constarão de conhecimentos básicos e conhecimentos específicos, com cinco disciplinas ou grupos cada prova, sendo 20 questões para cada disciplina ou grupo, num total de 100 questões em cada prova.
A primeira constará de português, raciocínio lógico/estatística, noções de economia/matemática financeira, noções de direito constitucional/tributário e noções de direito administrativo. Já a prova de conhecimentos específicos cobrará questões de controle interno, auditoria, contabilidade pública, contabilidade geral/custos, e, agrupadas, administração financeira, orçamentária e responsabilidade fiscal.
Os critérios para aprovação são: mínimo de 30% de acertos em cada disciplina/grupo de disciplinas da prova 1; mínimo de 40% de acertos em cada disciplina/grupo de disciplinas da prova 2 e mínimo de 60% em cada prova.
Leia também:
Gostou das postagens? Que tal compartilhar? Indique!
Clique acima e compartilhe por e-mail, Twitter, Facebook...