Vítimas são mais bem vistas do que heróis, diz pesquisa

Um passado de boas ações pode ser anulado por um erro, mas um passado de sofrimento tende a ser perdoado

Um passado de boas ações não ajuda ninguém a escapar da culpa após fazer algo errado. Mas você pode se livrar mais fácil do erro se seu histórico for de vítima.

Pesquisadores norte-americanos analisaram as reações dos participantes de um estudo em que eram apresentados casos representando transgressões reais, que iam desde roubar dinheiro até prejudicar outra alguém.

Os resultados mostraram que não importa quantas boas ações alguém tenha feito no passado, as pessoas são julgadas da mesma forma – e até de maneira mais rígida – do que outros com passado menos heróicos.

"As pessoas tendem a ser mais duras ao julgar alguém como o Dalai Lama do que um João Ninguém”, diz Kurt Gray, autor do estudo e professor-assistente da psicologia na University of Maryland. “Mas descobrimos que alguém que tenha sofrido no passado recebe significativamente menos culpa por uma má ação, mesmo que o sofrimento não tenha relação nenhuma com os erros e tenha acontecido há muito tempo”.

Na verdade, as pessoas tendem a simplesmente dividir o mundo entre ao que fazem o bem e os que fazem o mal, então “psicologicamente, a distância percebida entre um vilão e um herói é bem pequena, mas há uma distância imensa entre um vilão e uma vítima. Isso significa que heróis podem facilmente ser reavaliados como vilões ao fazer algo ruim, enquanto é muito difícil transformar uma vítima em um vilão”, explica.

"Nossa pesquisa sugere que moral não é como um “banco cósmico” onde você pode depositar boas ações e usá-las para compensar futuros erros. Pelo contrário: as pessoas ignoram passados heróicos, ou até os usam na hora de definir a culpa”, diz Gray.

Os resultados do estudo foram publicados na edição de março do Journal of Experimental Social Psychology.

Gostou das postagens? Que tal compartilhar? Indique!
Clique acima e compartilhe por e-mail, Twitter, Facebook...